Passo a Passo na Cirurgia de Garganta - (07) Cuidados no pós-operatório

Cirurgia de amígdalas e adenóide

  • Alimentação: líquido-pastosa fria ou gelada nos três primeiros dias: sorvete batido, milk-shake, sopa fria, sucos de frutas não cítricas, mingau frio. No quarto dia alimentos mais consistentes, ainda frios ou mornos, como purê de batata, caldo de feijão, macarrão com molho de tomate, etc. No sétimo dia em diante alimentação normal, evitando ingerir alimentos que possuírem pontas que possam machucar, como certos biscoitos.

Cirurgia de amígdalas e adenóide

  • Alimentação: líquido-pastosa fria ou gelada nos três primeiros dias: sorvete batido, milk-shake, sopa fria, sucos de frutas não cítricas, mingau frio. No quarto dia alimentos mais consistentes, ainda frios ou mornos, como purê de batata, caldo de feijão, macarrão com molho de tomate, etc. No sétimo dia em diante alimentação normal, evitando ingerir alimentos que possuírem pontas que possam machucar, como certos biscoitos.
  • É essencial oferecer bastante líquido, sempre em pequenas quantidades (um quarto de copo de 200 ml) a cada hora.
  • Repouso em casa por de 7 a 14 dias, de acordo com a evolução de cada paciente e orientação do médico: sem brincadeiras que incluam corridas ou grande agitação. Optar por televisão, filmes, jogos de cartas, livros, etc.
  • Nos três primeiros dias escovar apenas os dentes da frente. Não gargarejar ou bochechar com força.
  • Os pontos da cirurgia, quando dados, cairão por conta própria.
  • Febre de até 38 graus pode ocorrer nos dois primeiros dias, sem que seja sinal de infecção.
  • Salivação e discreta eliminação de secreção nasal com raias de sangue podem ocorrer nas primeiras 24 horas. O médico deverá ser comunicado em caso de sangramento ativo (sangue vivo).
  • Presença de material branco no local onde estavam as amigdalas não é pus. Na realidade, chama-se fibrina, mesmo aspecto dos joelhos esfolados durante o banho.
  • Em alguns casos podem ocorrer vômitos com ou sem coágulos (sangue pisado, preto) nas primeiras 24 horas, que são decorrentes da deglutição de sangue da cirurgia.
  • Dores na garganta e de ouvido, semelhantes as que ocorrem na amigdalite, são comuns. Conseguimos reduzi-las com analgésicos em doses regulares.

Cirurgia dos cornetos nasais (Turbinectomia)

  • Quando a criança é submetida à cauterização ou remoção parcial dos cornetos, nos dias subseqüentes, é comum obstrução nasal intensa por inchaço no local. Da mesma forma, formam-se crostas que pode ser eliminadas, juntamente com secreção e restos de sangue, pelas narinas. È muito importante a lavagem nasal conforme a orientação médica.
  • Deve-se evitar assoar o nariz e espirrar com as narinas e boca tampadas.

Cirurgia dos ouvidos

  • Após as cirurgias para colocação de carretel (tubos de ventilação) e as reconstruções do tímpano por colocação de enxerto (timpanoplastias) é proibitivo o uso de hastes flexíveis com ponta de algodão (Cotonete®), freqüentar praia ou piscina, e molhar os ouvidos no banho até a liberação médica. O uso de tampões de silicone não impede a entrada de água nos ouvidos. É fundamental, porém, o uso de algodão embebido óleo mineral durante o banho.
  • É importante ensinar as crianças a espirrar com a boca aberta e evitar assoar as narinas.
  • Assim como nas cirurgias de nariz, é importante a lavagem das narinas, uma vez que a comunicação entre eles deve estar limpa para a boa recuperação dos ouvidos depois da cirurgia.