O que se deve evitar no pós-operatório de uma cirurgia endoscópica nasossinusal.

Alimentação:

Três primeiros dias: líquido-pastosa fria ou gelada: sorvete batido, milk-shake, sopa fria, sucos de frutas não cítricas, mingau frio.

Quarto ao Sexto dia: alimentos mais consistentes, ainda frios, como purê de batata, caldo de feijão, macarrão com molho de tomate, etc. Não ingerir alimentos que possuam pontas que possam machucar, como certos biscoitos.

No sétimo dia – retornar ao consultório para revisão.

Realizar a lavagem das fossas nasais como recomendado na prescrição.

Repouso em casa por pelo menos 7 dias. Procurar deitar de barriga para cima com a cabeceira elevada em pelo menos 30 graus.

Não mexer, remover ou introduzir qualquer objeto em fossas nasais.

O splint nasal, curativo interno do nariz, uma espécie de folha de silicone, será removida ao final de 7 dias.

Esse curativo é fixado com fio mononylon para evitar o seu deslocamento. Dessa forma, é comum o paciente apresentar obstrução nasal e desconforto ocasionalmente.

Febre de até 38 graus pode ocorrer nos dois primeiros dias, sem que seja sinal de infecção.

A sensação de dormência dos lábios superiores e alguns dentes são comuns e podem durar até 3 meses.

Hematomas em torno dos olhos e lábios são esperados e podem permanecer por 15 dias.

Em alguns casos podem ocorrer vômitos com ou sem coágulos (sangue pisado) nas primeiras 24 horas, que são decorrentes da deglutição de sangue da cirurgia.

É normal a eliminação de muco contendo sangue durante os 10 primeiros dias, principalmente após a lavagem do nariz.

Nunca assoar o nariz. Nunca remover crostas ou introduzir qualquer objeto nas fossas nasais.

Quando da ocorrência de espirros, não se deve comprimir a boca ou as narinas.

Se ocorrer sangramento ativo (sangue vivo), o paciente deve comprimir o o nariz durante 10 minutos enquanto fica sentado verticalmente com a cabeça inclinada para FRENTE.

Peça para que alguém entre em contato imediatamente com seu médico.

É comum ocorrer constipação intestinal– prisão de ventre – nos 3 primeiros dias.

Dores em face e garganta pode ocorrrer, a segunda em consequência do tubo orotraqueal utilizado na intubação anestésica. Conseguimos reduzí-las com analgésicos em doses regulares.

Lavagem nasal regular das narinas com solução nasal isotônica ou hipertônica (Maresis®, Fluimare®, Salsep®, Maxidrate®, Rinosoro® 3%, Sorine H®). O paciente deve usá-las de acordo com a orientação fornecida na alta pós-operatória.

Uso de corticóides tópicos no nariz –  Avamys®, Nasonex®, Budecort aqua®, Plurair®, Nasacort®, Flixonase®, Noex®, dentre outros. O reinício do uso desses medicamentos deverá ser definido caso a caso, assim como o seu tempo de utilização.

O antibiótico, por via oral, muitas vezes já iniciado no período pré-operatório, é mantido por, pelo menos, 10 dias.

Anti-inflamatórios e corticóides orais são prescritos nos 3 a 5 primeiros dias para reduzir os sintomas no processo cicatricial.

Complicações

Em casos raros, ocorre um sangramento intenso do nariz no pós-operatório. Nestes casos o paciente é reencaminhado ao centro cirúrgico, onde será realizada avaliação, cauterização de alguns vasos e novo curativo.

Pesquisas recentes mostram que existe uma taxa global de complicação de 0,9% (9 em cada 1.000) em cirurgia nasal endoscópica, o que se compara favoravelmente com outras técnicas para remover pólipos.

Aderências ou sinéquias, que são tiras de tecido cicatricial entre o septo (a divisão central do nariz) e a parede lateral do nariz, podem formar-se nos primeiros dias depois da cirurgia, e você pode preveni-las aplicando a irrigação regularmente e comparecendo às consultas a cada 3 a 5 dias. Nestas ocasiões são realizadas limpezas para evitar a sua manutenção.