Os seios são espaços nos ossos da face, para cima e para cada lado do nariz. Estas cavidades abrem-se para dentro do nariz por meio de pequenos orifícios, conhecidos com óstios de drenagem.

Quando a mucosa que reveste estes seios fica doente, ocorre o seu espessamento, gerando bloqueio dos orifícios de drenagem, o que dificulta a ventilação adequada, favorecendo assim o desenvolvimento de infecções destas cavidades, as sinusites.

Quando a doença adquire um caráter crônico, na presença de pólipos ou tumores, ou em algumas situações particulares está indicada de cirurgia para o adequado tratamento.

No passado, a cirurgia nasossinusal era feita a olho nu, ou com a utilização de microscópio, muitas vezes com a realização de cortes na pele.

Na cirurgia endoscópica utilizamos telescópios acoplados a uma microcâmera, o que permite a manipulação das estruturas de dentro do nariz de forma mais minuciosa e menos traumática.

A utilização desses equipamentos evita, na grande maioria das vezes, o uso dos tampões nasais, muito utilizados, até então, para evitar os sangramentos no pós-operatório.

Esse conforto a mais para o paciente decorre do menor trauma causado na cirurgia, uma vez obtemos uma melhor observação do que deve ser removido. Os vasos também podem ser cauterizados de maneira mais eficaz, reduzindo o sangramento.

Além disso, é comprovado cientificamente que a recuperação pós-operatória é mais rápida e que o resultado da cirurgia é melhor, se comparados aos métodos tradicionais.

Ficou comprovado também que a abertura dos seios da face ajuda na penetração dos medicamentos utilizados no nariz, assim como proporciona uma melhor respiração, uma redução na retenção de muco e, muitas vezes, uma melhora do olfato.